• “O BODE NA MAÇONARIA”

    – Parte I –

    “E não me chamem de bode, pois eu prezo por um bom banho”

    Dentro da maçonaria, muitos desconhecem o nosso apelido de bode.

    A maioria dos maçons desconhece totalmente sobre “O Bode”, pelo contrário, quando ingrenssam na maçonaria, descobre que não há bode nenhum. Daí, muitos não se interessam em saber a origem dessa crendice.

    Então de onde vem está historia de bode?

    Os maçons por brincadeira alimentam essa fantasia, ou por diversão, ou para manter longes pessoas indesejadas e muitas vezes até mesmo para testar se o candidato a maçonaria se deixa levar por essas brincadeiras.

    Também é comum, entre os próprios maçons, se referem a outros maçons como bode.

    Exemplo:

    – “Essa festa está cheirando a bode!” – quer dizer – “Essa festa está cheio de maçons”

    – “Fui ao hospital, e o médico era bode.” – quer dizer – “Fui ao hospital, e o médico era maçon.”

    Outra brincadeira comum é uma expressão dita ao candidato que está prestes a ingressar na ordem.

    -”Estás preparado para sentar no bode?”

    Realmente, parece assustador de primeira mão. Mas essa expressão é usada para testar se o candidato se deixa levar pelas crendices.

    Na verdade quer dizer:“Estas preparado para ingressar na maçonaria?”

    Assim como em palavras o bode virou mania entre os maçons. Adesivos de carro, chaveiros, camisas, bonés, bonecos e até estatuetas são visto entre o meio maçônico. Hoje, o bode, virou uma brincadeira

    Sendo que, o povo ainda acredita nessa tolice. Então se não fores maçom pensa bem no que acabara de ler, e não deixe que fundamentalistas fanáticos induzam a sua visão contra a Maçonaria.

    Então de onde vem está história de bode?

    É um tratamento que se dá; o que significa trabalhar em segredo. Essa preocupação dos Maçons se dá em razão de que no passado, as perseguições do Santo Ofício levavam à tortura e ao sacrifício inúmeros Irmãos, no intento de arrancar-lhes os segredos ou conhecimentos acerca daquilo que protegiam com muita dor e coragem, podendo ser, inclusive, assuntos conspiratórios contra a coroa, ou o império, posto que o combate à tirania e ao obscurantismo fazia parte da grande ocupação de que tratavam os “bodes” na maioria dos Templos Maçons.

    Assim, a figura do Bode, que ficou conhecida como símbolo do segredo, do silêncio e da confidencialidade entre os Irmãos de todas as Obediências e Ritos, fez com que adotassem a enigmática caricatura desse animalzinho como uma identificação e reconhecimento entre os membros da fraternidade dos pedreiros livres, e que sobre esse costume muitas brincadeiras se realizem nas iniciações ou nas comunicações bem humoradas entre Irmãos.

    No livro de Daniel (12: 4); o Senhor ordena que o profeta lacre e guarde em segredo as palavras de uma mensagem expressa em um determinado livro até o fim dos tempos.

    Mais adiante, no mesmo capítulo, nos (vs. 9 – 10), diz o Senhor: “Vai Daniel, porque estas palavras estão fechadas e lacradas até o tempo do fim. Muitos serão purificados, esbranquiçados e refinados, mas os transgressores procederão iniquamente, e nenhum dos transgressores entenderá, mas os sábios entenderão”. Fiel às instruções do Senhor Deus, Daniel guardou e os de hoje prosseguem guardando o segredo recomendado por Deus.

    Embora guardar sigilo na Ordem Maçônica vem desde sua origem; a notícia remonta do período dos apóstolos, por volta do terceiro ano depois de Cristo quando eles se dirigiram a várias localidades para pregar o evangelho. Os que foram para a Palestina, ficaram surpresos com o costume do povo judaico em falar ao ouvido de um bode, um animal muito presente na cultura do povo judeu daquele período. Os apóstolos de Cristo, ao buscarem saber as razões que sustentavam aquela postura, os palestinos davam o silêncio como resposta. Até que um Rabino de uma comunidade, em atenção à indagação do apóstolo Paulo, respondeu-lhe que tal procedimento era (e ainda é parte, até hoje em algumas aldeias do território Israelense) de um cerimonial judaico para expiação de pecados e erros, cujo povo tem o bode como confidente.

    Confessar erros e pecados ao um bode, junto ao seu ouvido, segundo o mencionado ritual, assegura ao pecador de que, os segredos de seus delitos confessados ficam guardados, tendo em vista que bode não fala. O confessionário na Igreja Católica foi instituído anos depois, cuja instituição garante ao pecador o voto de silêncio por parte do sacerdote-confessor.

    Perseguida pelo governo papal do Vaticano, por discordar frontalmente das instituições oficiais do seu poderoso império, com que a Igreja subjugou, humilhou e matou nas fogueiras da Inquisição milhões de pessoas, muitos maçons foram presos e submetidos aos inquisidores que a todo custo buscavam arrancarem deles confissões sigilosas de domínio da Ordem Maçônica, semelhantes as que o Senhor recomendou ao profeta Daniel fechar e lacrar até o tempo do fim.

    Um dos inquisidores Chasmadoiro Roncalli, um reconhecido perverso dos quadros da Igreja, chegou a desabafar, com um superior seu:

    “Senhor, este pessoal maçom parece bode, por mais grave que eu torne o processo de flagelação a que lhes submeto, não consigo arrancar de nenhum deles quaisquer palavras.”

    Remonta desse período a alcunha de bode com que se faz referência aos cidadãos maçons, em todo o mundo, como aquele que sabe guardar segredo.

    Muitos associam a figura do bode ao demônio com que buscam acusar a Maçonaria de práticas satânicas, com argumentações integralmente destituídas da expressão da verdade.

    O nosso mais célebre e saudoso escritor Maçônico Brasileiro Ir.’. José Castellani (In Memoriam) escreveu.

    A origem desta denominação data do ano de 1808. Porém, para saber do seu significado temos necessidade de voltarmos no tempo. Por volta do III ano d.C. vários Apóstolos saíram para o mundo a fim de divulgar o cristianismo. Alguns foram para o lado judaico da Palestina. E lá, curiosamente, notaram que era comum ver um judeu falando ao ouvido de um bode, animal muito comum naquela região. Procurando saber o porquê daquele monólogo foi difícil obter resposta. Ninguém dava informação, com isso aumentava ainda mais a curiosidade dos representantes cristãos, em relação àquele fato. Até que Paulo, o Apóstolo, conversando com um Rabino de uma aldeia, foi informado, de que aquele ritual era usado para expiação dos erros. Fazia parte da cultura daquele povo contar a alguém da sua confiança, quando cometia, mesmo escondido, as suas faltas; ficaria mais aliviado junto à sua consciência, pois estaria dividindo o sentimento ou problema.

    Mas por que bode? – Quis saber Paulo. É porque o bode é seu confidente. Como o bode não fala o confesso fica ainda mais seguro de que seus segredos serão mantidos, respondeu-lhe o Rabino. A Igreja, trinta e seis anos mais tarde, introduziu, no seu ritual, o confessionário, juntamente com o voto de silêncio por parte do padre confessor – nesse ponto a história não conta se foi o Apóstolo que levou a idéia aos seus superiores da Igreja; o certo é que ela faz bem à humanidade, aliado ao voto de silêncio. O povo passou a contar as suas faltas.

    Voltemos a 1808, na França de Bonaparte, que após o golpe dos 18 Brumário, se apresentava como novo líder político daquele país. A Igreja, sempre oportunista, uniu-se a ele e começou a perseguir todas as instituições que não governo ou a Igreja.

    Assim a Maçonaria, que era um fator pensante, teve seus direitos suspensos e seus Templos fechados; proibida de se reunir. Porém, irmãos de fibra na clandestinidade, se reuniram, tentando modificar a situação do país.

    Neste período, vários Maçons foram presos pela Igreja e submetidos a terríveis inquisições.

    Porém, ela nunca encontrou um covarde ou delator entre os Maçons. Chegando a ponto de um dos inquisidores dizer a seguinte frase a seu superior:

    – “Senhor este pessoal (Maçons) parece “BODE”, por mais que eu flagele não consigo arrancar-lhes nenhuma palavra”.

    Assim, a partir desta frase, todos os Maçons tinham, para os inquisidores, esta denominação: “BODE” – aquele que não fala o que sabe guardar segredo.

    Conta um historia; que um sargento após o jantar sentado no alpendre de sua casa observava a loja maçônica do outro lado da rua e o movimento dos maçons em uma noite de segunda feira data de reunião semanal dos mesmos e resmunga para si mesmo.

    – “Os bodes já estão chegando, coisa ridícula esses ternos pretos que eles usam, eles não devem fazer coisa boa lá dentro, nem janelas esse prédio tem, isso é coisa do diabo…”

    Era sempre assim, até que em uma segunda feira especial para os maçons, o movimento estava fora do normal, com um grande numero de visitantes de fora, e no meio deles o sargento reconheceu o seu comandante de companhia da Força Pública, pois, o sargento comandava a força policial da cidade, um cabo e quatro soldados. Quando terminou o movimento e todos os maçons adentraram ao templo, o sargento permaneceu um pouco mais, mas todo movimento da rua cessara, com mais alguns resmungos contra os maçons, onde já se viu o seu comandante também era da maçonaria, com certeza já vendera a alma pro diabo, por isso, chegou a Comandante da Companhia.

    Entrou na casa perguntando para a esposa.

    – Cadê o garoto?

    – Brincando com as crianças ai na pracinha.

    – Eu já vou deitar daqui a pouco você vá chamá-lo, já está tarde para criança ficar na rua, ainda mais com os bodes em reunião ai na frente.

    – Deixa de ser ranzinza homem, os maçons não são bodes, todos os que nós conhecemos são gente boas, até o prefeito é maçom.

    Por volta de uma hora da manhã, o sargento sua esposa e o filho de oito anos acordaram com os berros de um bode, os berros vinham da loja maçônica, a família saiu até a rua, o mesmo fazendo os vizinhos do lado, e todos admirados com os berros de bode que vinham de dentro da maçonaria, o prédio estava às escuras, fato que indicava que a reunião dos maçons já havia terminado.

    O sargento aproveitou para descer o pau nos maçons, e deixou claro que iria tomar providências, entrou colocou a farda e se dirigiu ao CLUBE 1932 SÃO PAULO AINDA DE PÉ; pois era lá que os maçons se dirigiam após os trabalhos da loja, em jantar de confraternização.

    Enquanto se dirigia para o clube social, percebeu seu filho seguindo-o, sorriu era bom que o filho o visse em ação.

    Na portaria do clube pediu para que chamassem o prefeito, pois tinha novidades.

    – O que aconteceu sargento, algum fato grave? Perguntou o prefeito.

    – Isso é o senhor que vai dizer Senhor prefeito.

    – Eu, por quê?

    – É que lá na sua loja.

    – Que loja sargento, eu lá tenho loja, até onde sei eu sou um latifundiário bem sucedido na produção de grãos.

    – Eu estou falando da loja maçônica, tem um bode berrando lá dentro e não deixa ninguém dormir no quarteirão inteiro.

    – Ah, o bode está berrando muito?

    – Ta e eu tenho, que tomar uma providencia, o senhor me dê à chave da loja, e com sua permissão é claro, vou entrar pegar o bode e levá-lo para o destacamento, amanhã o senhor vê o que faz com ele.

    Nesta altura já eram diversos os maçons junto ao prefeito atraídos pela conversa, e os sorrisos disfarçados entre eles não foi percebidos pelo sargento, mas o filho percebeu e se mantinha firme ao lado do pai, todo orgulhoso.

    O prefeito pediu um minuto para o sargento e se afastou com os outros maçons uns metros e confabularam entre si, em seguida o prefeito voltou acompanhado dos outros e disse.

    – Sinto muito sargento não vai dar para o senhor interferir neste caso.

    – Porque, por acaso vou ter que agüentar o bode berrando a noite toda?

    – Isso mesmo, amanhã logo cedo damos um jeito no bode.

    – Isso nunca e como fica a minha autoridade, vou lá e pego esse bode ainda hoje, e levo pro destacamento.

    – Se o senhor insistir nessa sandice, eu e os meus irmãos de maçonaria não nos responsabilizam por sua vida.

    O sargento espertigou-se na sua autoridade perguntando.

    – O que tem de especial esse bode, que pode atentar contra minha vida se eu for lá pega-lo?

    – Isso não podemos falar é segredo maçônico. Disse o prefeito e dando uma piscadela para o menino.

    – Mas. Retrucou o sargento.

    – Nem mais nem menos sargento, a não ser que o senhor não dê valor a sua vida, neste caso aqui está à chave, e se o senhor for que Deus tenha piedade de sua alma. E estendeu a mão com a chave para o sargento.

    O sargento pensou, pensou, olhou para seu filho e depois para o prefeito dizendo.

    – Bem se é assim, não vejo razão para me arriscar, porque eu não sei, ou melhor, ninguém sabe o que vocês fazem lá dentro, mas amanhã vou comunicar o fato ao meu comandante de companhia.

    – Puxa, se o senhor tivesse chegado dez minutos mais cedo, falaria pessoalmente com ele, pois ele participou da iniciação, mas acabou de sair do clube.

    O sargento despediu-se do prefeito e comentou com o filho enquanto se dirigia para casa.

    – Eu heim, sabe-se lá que tipo de bode é esse, pode ser até o demo, mas que amanhã eles tiram esse bode de lá; lá isso tiram.

    Depois desse episódio o sargento passou a conviver com o fato de que jamais saberia o segredo dos maçons, e muitas segundas feiras se passaram através dos anos, ele sentado em seu alpendre observando o entre e sai dos maçons no templo.

    O filho cresceu se tornou homem, lançou-se em direção a outras paragens, firmou-se profissionalmente, foi sondado e convidado a ingressar na maçonaria, aceitou e tornou-se um irmão.

    Lembrou-se do pai velhinho, não mais um sargento e sim subtenente por força das promoções, qual seria a sua reação de ver o filho como um maçom. E a reação foi aquela que o filho esperava.

    – Pai o senhor é um homem honrado, e sinto-me tranqüilo no que lhe vou falar agora, o que tanto o senhor questiona, vou lhe revelar o segredo da maçonaria e o que eu e os meus irmãos fazemos dentro de uma loja maçônica como aquela. Disse o filho apontando para o templo maçônico no outro lado da rua.

    – Pai o que nós fazemos lá e o grande segredo, não…

  • 159 Comentários

    Veja abaixo os comentários

    1. ALAN MARQUES
      Publicado em 10/07/2014

      Leio tudo sobre maçonaria,não por curiosidade mais sim por interesse na ordem acho espetacular…….
      E nunca tinha lido sobre o significado do bode e achei muito interessante mesmo,e a cada dia me apaixono mais pela maçonaria,leio de tudo até mesmo as especulações….mais é claro prefiro a verdade,parabéns adorei o texto

    2. André Luiz Bezerra
      Publicado em 24/07/2014

      Gostei muito mesmo, pois desde criança sempre tive grande afeição a ordem maçônica, pois sinto em meu coração que ela é a própria criação de Deus pois não sei como posso expressar melhor o que sinto pois vem do meu mais profundo intimo pois sei do sagrado porque sinto isto, e muitos não sabem, mas Deus na sua infinita sabedoria nos ensina o que realmente precisamos saber e ele ensinou-me que a maçonaria é dele mesmo que muitos não venham a acreditar, mesmo alguns irmãos, lamentável isto mas é verdade, um forte abraço aos irmãos.:

    3. Márcio
      Publicado em 07/08/2014

      Sempre admirei a maçonaria, uma pena eu nunca ter sido convidado para participar :/

    4. Carlos eduardo Turcatel
      Publicado em 17/08/2014

      Essa e a licao nao falar oque nao sabe
      Gostei muito

    5. Luis Felix
      Publicado em 03/09/2014

      Ola meus IIr.´. , achei muito bem feito este trabalho sobre a origem do BODE na Maçonaria , parabéns ao Ir.´. que apresentou este ótimo trabalho, sou da A.´.R.´.L.´.S.´. Irmandade Sangreal 731 , e estarei apresentando este trabalho em minha oficina , para que todos os IIr.´. de minha loj.´. ouçam e possam compartilhar deste ilustre trabalho.

      Que o G.´.A.´.D.´.U.´. ilumine a todos , T.´.F.´.A.´.

    6. NomeAlan dos Santos Villela
      Publicado em 03/09/2014

      Há aqueles que não comem carne suína pelo fato de que Jesus ao exorcizar um endemoniado,transferiu os demônios para os porcos e estes atiraram-se ao desfiladeiro:e disse Jesus:o que mancha o Homem é o que sai de sua boca e não o que entra,o que sai é o sai de dentro do seu coração,porem o que entra segue seu curso natural e é excretado. Quanto o bode,bom,o bode é só um animal criado por Deus de carne saborosa e de um bom chifre para chifrar os os pobres leigos.

    7. Publicado em 18/10/2014

      NO DIA DO JUÍZO SEREIS JULGADO PELAS OBRAS………….

      Se até Cristo foi chamado de filho do demônio o que dirão dos seus seguidores?….

      Maçons, continuem fazendo o bem diante de Deus e de Cristo, e que a fé e a caridade habitem nos homens de boa vontade.

      Amém

    8. Publicado em 23/10/2014

      eu sempre tive sede de entrar na maçonaria, mais nunca tive uma oportunidade, leio bastante sobre o assunto, sei que encontrarei homens de bem para me iniciar e me dar a luz do conhecimentos, portanto se tem alguem entre os irmãos que possam me ajudar, me ajudem por favor.

    9. jazon conselheiro
      Publicado em 26/10/2014

      Sou um jovem de 22 anos tenho uma vontade de ser maçom pq eu acho uma organização bem interessante queria saber oque eu faço pra ter acesso e me tornar maçom …

  • Deixe seu comentário

  • Nome:

    Email (required):

    Website:

    Mensagem: